Cozinha Blood Diet e peso ideal

Dias mais longos, mais luz, mais cor, mais alegria, mais festa, mais dinamismo, tudo isto é sinónimo de Primavera e sinal para nos libertarmos das impurezas físicas e mentais acumuladas ao longo do Inverno e procedermos a um processo de revitalização para um novo ano que desponta.
Na chegada de mais uma maravilhosa PRIMAVERA, nada mais adequado que o festejar do renascer da vida e com ela .....ALIMENTOS, COR, SABOR E SAÚDE.
É, também, o momento em que muita gente (infelizmente só nesta altura) começa a preparar o seu corpo para ter aquela desejada aparência, agora que o crescente minguar da roupa não desculpa mais os excessos.
Seja como for, aproveitemos mais esta oportunidade para promovermos a nossa saúde e bem-estar da forma mais eficaz e duradoura possível. Agora que, como todos os anos, somos assediados por uma explosão na publicação de livros sobre dietas miraculosas, de mais ou menos mediáticas figuras, que persistem em voltar sempre a erros clássicos, sob a capa de pseudo-cientificidades ou excentricidades, proponho-lhe voltar ao meu conceito Blood Diet, começando por lhe explicar porquê que funciona e é tão eficaz.
A maioria das dietas, mais ou menos na moda, continua a persistir apenas na limitação da ingestão de calorias, nos seus batidos light, sem levar em consideração as nossas necessidades bioqímicas individuais. Não admira que tanta gente todos os anos perca peso apenas para, mais tarde, vir a engordar ainda mais, ou perca peso numa parte do corpo mas mantenha as gorduritas a mais localizadas em áreas específicas.
O emagrecimento inadequado e pouco saudável leva à distribuição desequilibrada do peso e a consequências fisicas e mentais indesejadas.
A autêntica e duradoura regulação do peso corporal deve necessariamente assentar no entendimento de como é que o nosso corpo interage com os alimentos, determinar quais nos podem produzir problemas digestivos, inflamação e ganho de peso, bem como adequar a nossa escolha alimentar ao nosso metabolismo individual, por forma a optimizá-lo.
Para mim, do ponto de vista da Blood Diet, tenho por adquirido que alimentos inadequados à nossa “genética sanguínea” levam:
1º - Á inflamação da parede intestinal, interferindo com a absorção de nutrientes e produzindo problemas digestivos e desconforto abdominal;
2º - Tornam o metabolismo mais lento, comprometendo a queima das calorias em energia;
3º - Alteram o equilibrio hormonal, alterações da tiroide e outros, e produzem retenção de líquidos;
4º - Alteram a produção de insulina e levam a imbalanços glicémicos.

Com a simples substituição desses alimentos inadequados, podemos desde logo iniciar um processo, não só de perda de peso, mas também de disponibilidade de mais energia vital.
Comece da forma mais simples:
1º passo:
Verifique de novo a adequação dos seus alimentos ao seu perfil genético;
2º passo:
Não tente fazer a “revolução” de regresso à sua adequação alimentar genética toda de repente, mas tente todos os dias, pelo menos, substituir um “alimento morto” ou um "não alimento" por um "alimento vivo" que tenha compatibilidade genética e metabólica consigo;
3º passo:
Verificar a qualidade bioenergética dos alimentos.

A qualidade e a variedade dos alimentos é fundamental para manter uma boa saúde.
Para que o nosso organismo funcione correctamente e o nosso sistema imunitário se mantenha forte e seja capaz de nos proteger eficazmente, é necessário levar uma dieta adequada e equilibrada, já que não existe nenhum alimento que nos consiga dar todos os elementos capazes de nos nutrirem eficazmente.
A perspectiva nutricional clássica tem insistido que uma dieta equilibrada é aquela dieta variada que contenha a proporção adequada dos distintos grupos alimentares: hidratos de carbono, fibra, lipídos, proteínas, vitaminas e minerais, por forma ainda a dar ao corpo todas as calorias de que ele necessita. Esta ciência da nutrição apenas leva em linha de conta o poder nutritivo dos alimentos sem prestar grande importância às suas qualidades para prevenir e curar as doenças, fortalecer o corpo e, inclusive, para prolongar a vida. Assim, uma dieta equilibrada é, para o nutricionismo, uma dieta estandardizada, na qual se não tem em conta as diferenças fisiológicas das pessoas, pelo que se recomenda, na ausência de patologia, o mesmo tipo de dieta a pessoas de naturezas individuais muito diferentes.
Eu defendo um conceito muito distinto de uma dieta sã e equilibrada. Os meus regimes dietéticos têm em conta a genética, o metabolismo e a bionergética da pessoa a quem se recomenda uma determinada pauta alimentar. Procuram-se dietas equilibradas combinando energias e sabores favoráveis, evitando-se o consumo excessivo de qualquer tipo de energias alimentares. A sua vantagem reside na sua flexibilidade e adaptação às necessidades individuais. O nosso conceito Blood Diet parte da premissa fundamental de que “o que somos determina o que devemos comer” e “o que comemos afecta o que somos”.
Baseamo-nos no uso dos alimentos com fins terapêuticos, tanto preventivos como curativos, tendo em conta os princípios do equilíbrio e da harmonia, bem como o conhecimento directo da natureza dos alimentos. A nossa Blood Diet compreende, assim, um nível energético no qual a chave é o equilíbrio. Aplicam-se as propriedades energéticas dos alimentos para compensar o desequilíbrios do corpo. Seguir uma dieta de acordo com a BIOENERGÉTICA significa comer determinados alimentos e "cozinhá-los" de forma a que conservem o seu equilíbrio dentro do corpo. Os alimentos não se consideram intrinsecamente “bons” ou “maus”, o mais relevante é o efeito que um determinado alimento exerce sobre um determinado indivíduo e sobretudo a riqueza nutricional que transporta.
Assim, além da necessidade de adequação genética e metabólica, pomos de relevo que os benefícios dos alimentos para a saúde devem-se ás suas propriedades ou energias intrínsecas.
Junte o melhor desses dois mundos e trate de ordenar a sua COZINHA VITAL de acordo com os seus marcadores genéticos ancestrais e as propriedades bioenergéticas dos alimentos (em breve estará disponivel no site a pauta bioenergética dos alimentos).

E, ACIMA DE TUDO, NÃO DESTRUA OS SEU ALIMENTOS VIVOS COZINHANDO-OS EXCESSIVAMENTE, OU A TEMPERATURAS ELEVADAS. TRATE DE INGERIR O MAIS POSSÍVEL ALIMENTOS PUROS (sem processamento, nem químicos) NO SEU ESTADO CRU, QUER SE TRATE DE FONTES PROTEICAS (carne, peixe e ovos), GORDURA (da carne, do peixe e dos ovos) OU HIDRATOS DE CARBONO (vegetais e frutas). A COZINHA HABITUAL É QUANTO A NÓS UMA FONTE DE DESTRUIÇÃO DOS NUTRIENTES E UMA DAS PRINCIPAIS RESPONSÁVEIS PELAS DOENÇAS DEGENERATIVAS DA ACTUALIDADE.

Cozinha Genética
Data do Artigo: 
Terça, 10 Abril, 2007
Categoria: 
Sobre o autor

admin

Antonio Marcos, is a university teacher and writer on holistic health. He is founder, professor and president of Instituto Português de Naturologia and runs a group of clinics - Dr. Marcos Blood Diet Clinic - where is implemented his own holistic approach to Natural Medicine based on genetics and the healthiest diet that mimics the diet of our remote ancestors which print our DNA