EMAGRECER COM CETONAS DE FRAMBOESA

EMAGRECER COM CETONAS DE FRAMBOESA

Contam-se por milhares os pacientes que, ao longo dos anos, se sentaram na minha consulta com uma única razão: o desejo de perder peso.

Por isso, entendo muito bem a angústia em que isso se traduz para tanta e tanta gente que vai, de porta em porta, buscando a solução milagrosa para atingir esse objectivo com o menor esforço possível. Tal ávida busca acentua-se sempre no início da Primavera e na promessa de um novo Verão em que o corpo tem de mostrar aquilo que escondeu o resto do ano.

Pois bem, não se equivoque, não há produto milagroso que vá fazê-la perder peso se continuar a comer alimentos geneticamente inadequados, processados, açúcar e produtos químicos.

Perder peso deve ser parte de um programa global para ter uma mais vibrante e melhor saúde,. Comer alimentos integrais naturais e geneticamente adequados aos humanos e um estilo de vida saudável é a melhor maneira de melhorar a forma como você se vê, se sente e impressiona os outros. 

Se essas premissas forem cumpridas, então sim, poderei recomendar-lhe as cetonas de Framboesa como o suplemento milagre para a perda de peso, mesmo naqueles casos em que se faça alguma batota alimentar.

 

MAS VEJAMOS DO QUE ESTAMOS A FALAR!

O QUE SÃO AS CETONAS DE FRAMBOESA?

As cetonas de framboesa são um composto fenólico que é responsável pelo aroma das deliciosas framboesas vermelho celeste.As cetonas de framboesa têm uma estrutura semelhante à sinefrina e à efedrina. 

 

A SUA INTERAÇÃO COM HORMONAS

Nos estudos in vitro com linhas celulares de cancro da mama as Cetonas de framboesa demonstraram poder inibir o receptor de androgénio.

 

O SEU USO COSMÉTICO

As cetonas de framboesa, quando usadas topicamente, numa solução de 0,01% (aplicado uma vez por dia, durante 5 meses), mostraram aumentar a produção de IGF-1 na derme (pele), podendo conduzir ao crescimento do cabelo. 

Esse tipo de aplicação dérmica tem, ainda, sido associado ao aumento da elasticidade da pele em mulheres.

 

OS EFEITOS DAS CETONAS DE FRAMBOESA SOBRE AS CÉLULAS GORDAS E A LIPÓLISE 

 Num teste em ratos, depois de quatro dias de administração de cetonas de framboesa, os níveis celulares e secretados de adiponectina viram-se altamente aumentados nas células gordas.

Esses ratos foram superalimentados, mas a sua suplementação com as cetonas de framboesa suprimiram a acumulação de gordura, enquanto aumentaram os marcadores associados com a queima de gordura (tal como a translocação da lipoproteína lipase e da lipólise norepinefrina induzida).

A suplementação com as cetonas de framboesa aumentou tanto a expressão como a secreção da adiponectina. Isto é importante porque a adiponectina é uma hormona que modula uma série de processos metabólicos, incluindo a regulação da glicose e o catabolismo dos ácidos gordos (queima da gordura). A investigação tem demonstrado que os níveis de adiponectina são inversamente proporcionais ao percentual de gordura corporal.

níveis mais elevados de adiponectina = níveis mais baixos de gordura corporal.

Alguns estudos apontam no sentido de que o aumento dos níveis de adiponectina pode ajudar a tratar problemas de resistência à insulina, como na diabetes tipo 2 (síndrome metabólica). A resistência à insulina (síndrome metabólica) é um fator chave na obesidade. 

As cetonas de framboesa podem, também, regular a noradrenalina, produzindo uma ligeira elevação da temperatura corporal e activação dos adipócitos (células gordas).

Estes dois fatores agem, positivamente, sobre os distúrbios metabólicos (síndrome metabólica), obesidade, aterosclerose e doença não-alcoólica do fígado gorduroso, bem como sobre a acumulação de gordura nos órgãos internos sobretudo na área abdominal.

NOTA

Alguns autores têm tentado suprimir a eficácia das investigações levadas a cabo com as cetonas de framboesa em ratos, nomeadamente todas aquelas que demonstraram a sua eficácia em suprimir a acumulação de gordura. O argumento é um velho argumento de que tais estudos em ratos não são transponíveis diretamente aos humanos. Mas, em desacordo com tal postura, convém sublinhar que, os genomas humanos e dos ratos são cerca de 85 por cento idênticos e é, exatamente por isso, que os ratos são tão freqüentemente usados como uma base inicial para o estudo da genética e da doença em biologia humana.

SEGURANÇA E TOXICIDADE

As células de gordura não apresentaram qualquer citotoxicidade, mesmo em doses até cinco vezes a dose eficaz mencionada acima. Em ratos, o consumo de até 100mg/kg de peso corporal, não produziu qualquer alteração nos marcadores sanguíneos.

Por uma questão cautelar, entendo que pessoas com condições cardíacas, pressão alta, doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC) e asma devem evitar tomar cetonas de framboesa, por poderem agravar aquelas condições. Já agora, embora por razões distintas, a mesma cautela para grávidas e lactantes.

CONCLUSÃO

O mais relevante que realço neste suplemento é o seu efeito sobre a síndrome metabólica (resistência insulina) que é a causa primária da obesidade e das alterações metabólicas no nosso organismo. Como resultado de tudo o exposto, sou da opinião de que as cetonas de framboesa são uma grande promessa enquanto "queimadores de gordura" e podem ser de grande utilidade, não só para todos aqueles que desejam reduzir a sua massa gorda e perder peso, mas também para uma regulação do metabolismo corporal e a diminuição da perniciosa resistência celular à insulina.

Por tudo isso as CETONAS DE FRAMBOESA recebem a minha chancela de SUPLEMENTO PREMIUM a consumir.

BIBLIOGRAFIA

-Harada N, et al. Effect of topical application of raspberry ketone on dermal production of insulin-like growth factor-I in mice and on hair growth and skin elasticity in humans. Growth Horm IGF Res. (2008)

-The application of raspberry ketone to successful body care

-Park KS. Raspberry ketone increases both lipolysis and fatty acid oxidation in 3T3-L1 adipocytes. Planta Med. (2010)

-Cation-Exchanged Montmorillonite-Catalyzed Facile Friedel-Crafts Alkylation of Hydroxy and Methoxy Aromatics with 4-Hydroxybutan-2-one To Produce Raspberry Ketone and Some Pharmaceutically Active Compounds

-Beekwilder J, et al. Microbial production of natural raspberry ketone. Biotechnol J. (2007)

-Feron G, et al. Microbial production of 4-hydroxybenzylidene acetone, the direct precursor of raspberry ketone. Lett Appl Microbiol. (2007)

-Gaunt IF, et al. Acute and short-term toxicity of p-hydroxybenzyl acetone in rats. Food Cosmet Toxicol. (1970)

-Sporstøl S, Scheline RR. The metabolism of 4-(4-hydroxyphenyl)butan-2-one (raspberry ketone) in rats, guinea-pigs and rabbits. Xenobiotica. (1982)

-Morimoto C, et al. Anti-obese action of raspberry ketone. Life Sci. (2005)

-Effect of essential oils, such as raspberry ketone and its derivatives, on antiandrogenic activity based on in vitro reporter gene assay

-Effect of topical application of raspberry ketone on dermal production of insulin-like growth factor-I in mice and on hair growth and skin elasticity in humans

-Holst L, Haavik S, Nordeng H. Raspberry leaf--should it be recommended to pregnant women. Complement Ther Clin Pract. (2009)

-Parsons M, Simpson M, Ponton T. Raspberry leaf and its effect on labour: safety and efficacy. Aust Coll Midwives Inc J. (1999)

-Parsons M, Simpson M, Wade K. Labour and the raspberry leaf herb. Pract Midwife. (2000)

-Jing Zheng, et al. The effects of commercial preparations of red raspberry leaf on the contractility of the rat's uterus in vitro. Reprod Sci. (2010)

-Simpson M, et al. Raspberry leaf in pregnancy: its safety and efficacy in labor. J Midwifery Womens Health. (2001)

CETONAS DE FRAMBOESA
Data do Artigo: 
Terça, 2 Abril, 2013
Categoria: 
Produtos Relacionados
Sobre o autor

admin

Antonio Marcos, is a university teacher and writer on holistic health. He is founder, professor and president of Instituto Português de Naturologia and runs a group of clinics - Dr. Marcos Blood Diet Clinic - where is implemented his own holistic approach to Natural Medicine based on genetics and the healthiest diet that mimics the diet of our remote ancestors which print our DNA