ÓMEGA 3 DE ELEIÇÃO - ÓLEO DE KRILL

ÓMEGA 3 DE ELEIÇÃO - ÓLEO DE KRILL

ALVO TERAPÊUTICO - Peso, dor, memória, coração, visão, energia, tensão arterial, colesterol, sexo, sono, imunidade, fígado, síndrome pré-menstrual, disposição…uma verdadeira e eficaz panaceia.

RESUMO - Novo tipo de fonte de ómega 3, prova ser 47 vezes melhor para a sua saúde do que a suplementação com óleo de peixe.

R.Bunea, MD, Farrah K., MD e Deutsch L., MD, publicaram em 2004, um extenso artigo na Revista Alter. Med.,9(4):420-428, em que concluem que “os resultados desta investigação demonstram que uma dose diária de 1-3 g de óleo de Krill são significativamente mais efeicazes do que 3g de óleo de peixe rico em EPA/DHA, no controlo da hiperlipídemia. A dose de manutenção de 500 mg de óleo de krill é extremamente efetiva para uma regulação a longo prazo dos lípidos sanguíneos. A composição molecular única do óleo de krill, que é rica em fosfolípideos, ómega 3 e diversos antioxidantes, ultrapassa o perfil dos óleos de peixe e oferece uma solução mais otimizada de redução do risco de doença cardiovascular”   

 

O Krill são pequenos crustáceos (camarões), encontrados no Oceano Austral e do Oceano Antártico que fazem parte do plâncton marinho, cujo óleo é rico em fosfolipídios (entre outras coisas, o alimento favorito do cérebro). A extração do óleo de Krill é uma tecnologia relativamente nova

.

Cada vez se avolumam mais os resultados da investigação apontando o óleo de krill como opção de excelência no que respeita à suplementação de ómega 3 e antioxidantes. As principais conclusões apontadas nos estudos são:

 O Colesterol bom subiu 10 vezes mais do que com óleo de peixe regular.   O Colesterol mau desceu 16 vezes mais do que com óleo de peixe regular

 

  A dor foi reduzida 3 vezes mais em apenas sete dias do que com óleo de peixe regular 

Ácerca do óleo de krill, a longa literatura clínica, hoje disponível, acentua que:

  MELHORA A SAÚDE DO CORAÇÃO por reduzir a inflamação

 

 

 Previne coágulos no sangue e a pressão arterial elevada causadores de ataques cardíacos e derrames

 Reduz o risco de morte devido a problemas cardíacos

 Diminui a dor comum

   

 

  


 
INCREMENTA A PERDA DE PESO DE FORMA MAIS FÁCIL E MAIS RÁPIDA por melhorar o metabolismo da glicose e estabilizar os níveis de açúcar no sangue

 Melhora o humor e proporciona o alívio dos síntomas de Síndrome Pré-Menstrual nas mulheres

Protege contra a artrite reumatoide

INIBE O DESENVOLVIMENTO DO CANCRO DA MAMA E DA PELE

REVITALIZA O CÉREBRO E PROMOVE A MEMÓRIA, PREVENINDO O DECLÍNIO COGNITIVO E A DEMÊNCIA (Alzheimer)

 

ÓLEO DE KRILL versus ÓLEO DE PEIXE

Comecemos por “varrer” com alguns dos

MITOS ACERCA DO ÓLEO DE PEIXE

1º Mito - O óleo de peixe é rico em antioxidantes.

Na verdade, o nível de antioxidantes presentes nos suplementos de óleo de peixe, habitualmente presentes no mercado, é extremamente reduzido, representando apenas 3% dos anti-oxidantes presentes no óleo de Krill ou porventura 0,12% quando reforçado com astaxantina adicional.

2º Mito – O óleo de peixe é um suplemento “clean”.

Grande parte do óleo de peixe presente no mercado, que não apresenta certificado de garantia, provém de peixes de aquicultura e de águas poluídas e contém, frequentemente, elevados níveis de metais pesados, pesticidas, herbicidas e outros poluentes.

3º Mito – O óleo de peixe é facilmente digerido e absorvidos os seus nutrientes.

São muitas as pessoas que sentem dificuldade em digerir o óleo de peixe, sentindo peso no estômago, sabor desagradável na boca, já para não falar da incapacidade para dele conseguirem extrair os nutrientes mais valiosos, os ácidos gordos ómega 3 DHA e EPA. A maior parte das pessoas perde, na digestão, cerca de 80% do DHA e EPA e, alguns, a sua totalidade. Isto porque o corpo não consegue romper, eficazmente, os triglicerídeos para obtê-los. O processo de obtenção dos ómega 3 a partir do óleo de peixe é um processo corporal complexo que, geralmente, está muito comprometido na generalidade das pessoas. Com efeito, para que tal absorção se verifique é necessário que, no momento de passagem do óleo de peixe pelo intestino delgado, esteja presente, em simultâneo, bílis segregada pela vesícula biliar e lipase segregada pelo pâncreas. Ora muitas pessoas têm deficiente funcionamento biliar e na própria produção de lipase (sintoma típico é a perduração do sabor a peixe na boca), pelo que não irão conseguir obter os indispensáveis ómega 3 a partir do óleo de peixe.

O ÓLEO DE KRILL , pode assim ser uma melhoria revolucionária para a sua saúde.

  O ÓLEO DE KRILL é muito melhor para sua saúde do que óleo de peixe regular pelas seguintes razões:

1) A potência em antioxidante é 297 vezes maior do que a vitamina A ou E, e 47 vezes maior do que o óleo de peixe regular! O óleo de peixe regular tem um teor muito baixo em antioxidantes. Esta é a medida pelo valor padrão ORAC.

2) Os seus efeitos antioxidantes mais poderosos são produzidos pela astaxantina, o que o óleo de peixe regular não contém. Atravessa, facilmente, a barreira hemato-encefálica, ajudando a proteger e estimular melhor o cérebro, com mais memória e clareza de pensamento.

3) Isto é importante: o óleo de krill contém fosfolipídios que formam uma barreira microscópica que ajuda as células a filtrarem as toxinas e os danos dos radicais livres que podem resultar em doenças graves. O óleo de peixe regular não contém. 

4) Possui uma absorção de 500% maior no seu corpo do que o óleo de peixe regular, de acordo com o National Health Institute, dos EUA.   

5) Não se sente NENHUM sabor a peixe ou problemas de digestão, "arrotos de peixe", ou refluxo ácido que ocorre frequentemente com óleo de peixe regular.    

 

Convém sublinhar que na generalidade dos óleos de peixe se encontra  uma grande contaminação de metais pesados e toxinas, tais como o mercúrio, o chumbo, o arsênico, o estrôncio radioativo, PCBs e outros poluentes provenientes do lançamento de resíduos industriais na água.

Já o krill é constituído por crustáceos minúsculos que fazem parte do plancton das águas geladas e pristinas da antártida, situando-se na parte inferior da cadeia alimentar e completamente livre de toxinas insalubres e poluição comumente encontrados no óleo de peixe regular.

"Regressar à Juventude" e "Segunda Juventude"

O ÓLEO DE KRILL ajuda a rejuvenescer as células, glândulas e órgãos do seu corpo. 

O ÓLEO DE KRILL contém fosfolipídios que criam uma barreira microscópica que ajuda as células a filtrar as toxinas que podem causar doenças graves. Também protegem contra o stresse oxidativo causado pelos prejudiciais radicais livres evitando que as moléculas não se rompam e as paredes celulares não fiquem enfraquecidas.

O ÓLEO DE KRILL demonstrou reduzir a síndrome metabólica, eliminar a faixa abdominal, bem como a gordura que se deposita ao redor do fígado e do coração, de forma 21 vezes mais eficaz do que o óleo de peixe. Ele demonstrou conseguir, ainda, reduzir os níveis de açúcar e da homocisteína, sendo que esta última é um indicador de elevado risco cardiovascular.

O ÓLEO DE KRILL demonstrou, ainda, reduzir significativamente os sintomas físicos e emocionais da Síndrome Pré-Menstrual e "é muito mais eficaz do que o óleo de peixe regular".

 

Por tudo isso o ÓLEO DE KRILL recebe a minha chancela de SUPLEMENTO PREMIUM a consumir

BIBLIOGRAFIA

Anderson ML. Uma investigação preliminar da inibição enzimática da 5alpha redutase e a expansão de linha de próstata carcinoma de células LNCaP-FGC por astaxantina natural e Saw Palmetto extrato lipídico in vitro. J Herb Pharmacother. 2005, 5 (1) :17-26.

Grimm MO, Kuchenbecker J, et al. Docosahexaenoic acid reduces amyloid beta production via multiple pleiotropic mechanisms. J Biol Chem 2011;286:14028-14039.

Harris WS, Pottala JV, Vasan RS, Larson MG, Robins SJ. Changes in erythrocyte membrane trans and marine fatty acids between 1999 and 2006 in older Americans. J Nutr 2012;142:1297-1303.

http://www.biomedcentral.com/content/pdf/1471-2474-11-136.pdf A suplementação da Dieta com óleo de krill protege contra a artrite reumatoide experimental 

Innis SM. Dieta (n-3) Ácidos gordos e desenvolvimento do cérebro. J Nutr. 2007; 137: 855-859.

Kalmijn S, van Boxtel MP, Ocke M, et al. A ingestão dietética de ácidos gordos e peixes em relação ao desempenho cognitivo na meia-idade. Neurologia. 2004, 62 (2): 275-80.

Lagarde M, Bernoud N, Brossard N, et al. Lisofosfatidileolino como uma forma preferida do transportador de ácido docosa-hexaenóico para o cérebro. J Mol Neurosci. 2001, 16: 201-4.

McNamara RK. Deciphering the role of docosahexaenoic acid in brain maturation and pathology with magnetic resonance imaging. Prostaglandins Leukot Essent Fatty Acids 2012; Apr 20.

Narendran R, Frankle WG, Mason NS, Muldoon MF, Moghaddam B. Improved working memory but no effect on striatal vesicular monoamine transporter type 2 after omega-3 polyunsaturated Fatty Acid supplementation. PLoS One. 2012;7(10):e46832. doi: 10.1371/journal.pone.0046832. Epub 2012 Oct 3.

Pedra NJ, o consumo de peixe, óleo de peixe: lipídios, e doença coronariana. Circulação, 94:2337-2340.

Rapoport SI. Translational studies on regulation of brain docosahexaenoic acid metabolism in vivo. Prostaglandins Leukot Essent Fatty Acids 2012; Jul 4.

Schaefer EJ, Bongard V, Beiser AS. Fosfatidilcolina Plasma teor de ácido docosahexaenóico e risco de demência e doença de Alzheimer: o Framingham Heart Study. Arch Neurol. 2006, 63 (11): 1545-1550.

Simopoulos AP, Ácidos gordos na saúde, na doença, no crescimento e no desenvolvimento, American Journal Clinical Nutrition; 54:438-463

Sinclair AJ, Begg D, Mathai M. ácidos gordos ômega 3 e o cérebro: revisão de estudos sobre depressão. Ásia Pac J Clin Nutr. 2007; 16 Suppl 1: 391-7.

Stonehouse W, Conlon CA, Podd J, Hill SR, Minihane AM, Haskell C, Kennedy D. DHA supplementation improved both memory and reaction time in healthy young adults: a randomized controlled trial. Am J Clin Nutr. 2013 Mar 20. 

Suzanne M Pilkington, Karen A Massey, Susan P Bennett, Naser MI Al-Aasswad, Khaled Roshdy, Lesley E Rhodes, et  al.  “Randomized controlled trial of oral omega-3 PUFA in solar-simulated radiation-induced suppression of human cutaneous immune responses.”  Am J Clin Nutr., March 2013 97: 646-652.

Sydenham E, Dangour AD, Lim WS. Omega 3 fatty acid for the prevention of cognitive decline and dementia. Cochrane Database Syst Rev 2012;6:CD005379.

Tan ZS, Harris WS, Beiser AS, Au R, Himali JJ, Debette S, Pikula A, Decarli C, Wolf PA, Vasan RS, Robins SJ, Seshadri S. Red blood cell ω-3 fatty acid levels and markers of accelerated brain aging. Neurology 2012;78:658-664.

Titova OE, Sjögren P, Brooks SJ, Kullberg J, Ax E, Kilander L, Riserus U, Cederholm T, Larsson EM, Johansson L, Ahlström H, Lind L, Schiöth HB, Benedict C. Dietary intake of eicosapentaenoic and docosahexaenoic acids is linked to gray matter volume and cognitive function in elderly. Age (Dordr) 2012; Jul 13.

University of Pittsburgh (UP). Omega-3 Intake Heightens Working Memory in Healthy Young Adults. October 25, 2012. ACESSO http://www.news.pitt.edu/Omega_3_Fatty_Acids_Memory

Wainwright PE. Ácidos gordos essenciais e a função do cérebro: uma perspectiva de desenvolvimento de mecanismos. Proc Sci Nutr. 2002, 61: 61-69.

http://www.uoguelph.ca/news/2013/02/omega3s_inhibit.html OMEGA-3s Inhibit Breast Cancer Tumour Growth, U of G Study Finds February 21, 2013

Krill Study

 

 

ÓLEO DE KRILL
Ficheiro: 
Data do Artigo: 
Segunda, 25 Março, 2013
Produtos Relacionados
Sobre o autor

admin

Antonio Marcos, is a university teacher and writer on holistic health. He is founder, professor and president of Instituto Português de Naturologia and runs a group of clinics - Dr. Marcos Blood Diet Clinic - where is implemented his own holistic approach to Natural Medicine based on genetics and the healthiest diet that mimics the diet of our remote ancestors which print our DNA